Seguidores

sexta-feira, 30 de maio de 2014

LEGIÃO DO MAL


"E perguntou-lhes: Qual é o teu nome? - Ao que ele respondeu: Legião é o meu nome, porque somos muitos." - (MARCOS, 5:9.)
O Mestre legou inolvidável lição aos discípulos nesta passagem dos Evangelhos.
Dispensador do bem e da paz, aproxima-se Jesus do Espírito perverso que o recebe em desesperação.
O Cristo não se impacienta e indaga carinhosamente de seu nome, respondendo-lhe o interpelado: “Chamo-me Legião, porque somos muitos.”
Os aprendizes que o seguiam não souberam interpretar a cena, em toda a sua expressão simbólica.
E até hoje pergunta-se pelo conteúdo da ocorrência com justificável estranheza.
É que o Senhor desejava transmitir imortal ensinamento aos companheiros de tarefa redentora.
A frente do Espírito delinqüente e perturbado, Ele era apenas um; o interlocutor, entretanto, denominava-se “Legião”, representava maioria esmagadora, personificava a massa vastíssima das intenções inferiores e criminosas. Revelava o Mestre que, por indeterminado tempo, o bem estaria em proporção diminuta comparado ao mal em aludes arrasadores.
Se te encontras, pois, a serviço do Cristo na Terra, não te esqueças de perseverar no bem, dentro de todas as horas da vida, convicto de que o mal se faz sentir em derredor, à maneira de legião ameaçadora, exigindo funda serenidade e grande confiança no Cristo, com trabalho e vigilância, até à vitória final.
Ditado pelo Espírito Emmanuel. Do livro 'Caminho, Verdade e Vida". Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

MUSICAL RAPTURE  - A Healing Gift for Humanity
https://www.youtube.com/watch?v=HyatlLeXwLE

quarta-feira, 28 de maio de 2014

FRUTOS


"Portanto, pelos seus frutos os conhecereis." - Jesus. (MATEUS, 7:20.)
O mundo atual, em suas elevadas características de inteligência, reclama frutos para examinar as sementes dos princípios.
O cristão, em razão disso, necessita aprender com a boa árvore que recebe os elementos da Providência Divina, através da seiva, e converte-os em utilidades para as criaturas.
Convém o esforço de auto-análise, a fim de identificarmos a qualidade das próprias ações.
Muitas palavras sonoras proporcionam simplesmente a impressão daquela figueira condenada.
É indispensável conhecermos os frutos de nossa vida, de modo a saber se beneficiam os nossos irmãos.
A vida terrestre representa oportunidade vastíssima, cheia de portas e horizontes para a eterna luz. Em seus círculos, pode o homem receber diariamente a seiva do Alto, transformando-a em frutos de natureza divina.
Indiscutivelmente, a atualidade reclama ensinos edificantes, mas nada compreenderá sem demonstrações práticas, mesmo porque, desde a antigüidade, considera a sabedoria que a realização mais difícil do homem, na esfera carnal, é viver e morrer fiel ao supremo bem.
Ditado pelo Espírito Emmanuel. Do livro 'Caminho, Verdade e Vida'. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Reflexions - Ernesto Cortazar
https://www.youtube.com/watch?v=dVZlQH2Mcx8

domingo, 25 de maio de 2014

NECESSIDADE DO BEM




"E consideremo-nos uns aos outros para nos estimularmos à caridade e às boas obras." - Paulo. (HEBREUS, 10:24.)
Muitas instituições da vida cristã, respeitáveis por seus programas e fundamentos, sofrem prejuízos incalculáveis, em razão da leviandade com que muitos companheiros se observam uns aos outros.
Aqui, comenta-se o passado desairoso de quem procura hoje recuperar-se dignamente; ali, pequenos gestos infelizes são analisados, através das escuras lentes do sarcasmo e da crítica...
A censura e a reprovação indiscriminadas, todavia, derramam-se na família de ideal, como chuva de corrosivos na plantação, aniquilando germes nascentes, destruindo flores viçosas e envenenando frutos destinados aos celeiros do progresso comum.
Nunca é demais repetir a necessidade de perdão, bondade e otimismo, em nossas fileiras e atividades.
Lembremo-nos de que, com o nosso auxílio, tudo hoje pode ser melhor que ontem, e tudo amanhã será melhor que hoje.
O mal, em qualquer circunstância, é desarmonia à frente da Lei e todo desequilíbrio redunda em dificuldade e sofrimento.
Examinemo-nos mutuamente, acendendo a luz da fraternidade para que a fraternidade nos clareie os destinos.
Sem perseverança no bem, não há caminho para a felicidade.
Por isso mesmo, recomendou-nos o Apóstolo Paulo: - "e consideremo-nos uns aos outros para nos estimularmos à caridade e às boas obras", porque somente nessa diretriz estaremos servindo à construção do Reino do Amor.
Ditado pelo Espírito Emmanuel. Do livro 'Fonte Viva'. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

ANTE A LUZ DA VERDADE


"Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará." - Jesus. (JOÃO, 8:32.)
A palavra do Mestre é clara e segura.
Não seremos libertados pelos "aspectos da verdade" ou pelas "verdades provisórias" de que sejamos detentores no círculo das afirmações apaixonadas a que nos inclinemos.
Muitos, em política, filosofia, ciência e religião, se afeiçoam a certos ângulos da verdade e transformam a própria vida numa trincheira de luta desesperada, a pretexto de defendê-la, quando não passam de prisioneiros do "ponto de vista".
Muitos aceitam a verdade, estendem-lhe as lições, advogam-lhe a causa e proclamam-lhe os méritos, entretanto, a verdade libertadora é aquela que conhecemos na atividade incessante do Eterno Bem.
Penetrá-la é compreender as obrigações que nos competem.
Discerni-la é renovar o próprio entendimento e converter a existência num campo de responsabilidade para com o melhor.
Só existe verdadeira liberdade na submissão ao dever fielmente cumprido.
Conhecer, portanto, a verdade é perceber o sentido da vida.
E perceber o sentido da vida é crescer em serviço e burilamento constantes.
Observa, desse modo, a tua posição diante da Luz...
Quem apenas vislumbra a glória ofuscante da realidade, fala muito e age menos. Quem, todavia, lhe penetra a grandeza indefinível, age mais e fala menos.
Ditado pelo Espírito Emmanuel. Do livro 'Fonte Viva'. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
Eternal Love - Beautiful violin music
http://www.youtube.com/watch?v=qFL2xGrtEm4

terça-feira, 20 de maio de 2014

UM MINUTO


Por um minuto, feche os olhos e pense no que lhe aprouver...
E se você descobrisse que o tempo que lhe resta é apenas mais um minuto? Exatos sessenta segundos: nem mais, nem menos.
Certo seria que, ao tomar conhecimento de tal fato, as coisas mudassem de dimensão.
O dinheiro, antes indispensável, nesse instante se tornaria insignificante. E nem toda a riqueza do mundo seria capaz de modificar esse quadro.
As velhas mágoas acumuladas, as frustrações, as decepções tantas, as reclamações diárias, diante dessa situação tão peculiar, se tornariam vazias, quase sem sentido.
As brigas de família, a teimosia do marido, a impaciência da esposa, a desobediência dos filhos, nesse minuto final, ao invés de causarem irritação, trariam um sentimento de nostalgia e saudade.
Por outro lado, as coisas simples, os pequenos gestos que demonstram afetividade, carinho, gentileza, seriam infinitamente engrandecidos, nesse derradeiro minuto.
Um beijo, um abraço apertado, uma declaração de amor, uma troca de olhares, um pedido de desculpas se tornariam aquilo que de mais precioso existe no mundo.
Um toque, um sorriso, mãos que se encontram, um sincero eu te amo: os tesouros escondidos por trás da simplicidade.
*   *   *
Você já havia parado para pensar no quanto pode ser feito em um minuto? Ou melhor, você já parou um minuto para pensar?
Sem dúvidas, não se pode fazer tudo o que se deseja em sessenta segundos. Mas um minuto é tempo suficiente para se mudar tudo para sempre.
Um minuto é o tempo necessário para se optar entre a ofensa e o perdão, entre o ódio e o amor, entre a violência e a paz.
É o necessário para declararmos nosso amor por alguém, para oferecermos pão a quem tem fome, consolo a quem perdeu as esperanças, para compartilharmos um sorriso.
Em apenas um minuto podemos acalentar corações, levarmos alegria, escrevermos um bilhete de ternura a alguém especial.
Um minuto é o suficiente para irradiarmos luz aos nossos familiares, aos nossos amigos, àqueles que partiram para a eternidade, àqueles que passam pelas provas da vida, através da oração.
Um minuto é tempo mais do que suficiente para se ser feliz.
*   *   *
Você se permitiu ser feliz neste exato minuto?
Deixe para lá os arrependimentos do passado. Foque-se no presente, pois é no presente que reajustamos as más escolhas do passado e construímos o futuro.
Acredite na força do perdão. Lembre-se de que todos somos caminheiros da estrada do progresso e que ora acertamos, ora nos equivocamos em nossas escolhas. Tenha paciência com as faltas alheias como você tem com as suas próprias falhas.
Tenha como norte a fé, a esperança e a caridade. Assim, por mais escura que se faça a noite, seus passos sempre o levarão em direção à felicidade, ao amor e à paz.
Permita-se renovar: é preciso um minuto, não mais do que um minuto.
Pense nisso. Aproveite o próximo minuto.
Redação do Momento Espírita. Em 15.5.2014.

ERNESTO CORTAZAR - The language of love

http://www.youtube.com/watch?v=HQJp_MMfFoE

quinta-feira, 15 de maio de 2014

INIMIGAS DA HUMILDADE


Uma virtude muito esquecida e até mesmo desprezada é a humildade.
Infelizmente vivemos numa sociedade que se diz cristã, mas que na realidade é materialista.
Isso faz com que as pessoas vivam numa competição constante, umas querendo se destacar mais do que as outras.
Não é, portanto, de se estranhar que a humildade ande tão escassa.
Há contudo, uma lei universal segundo a qual todos somos iguais perante Deus.
Ao contrário do pensamento comum, ser humilde não significa ser submisso, subserviente. Ser humilde é ser natural, é reconhecer que ninguém é dono da verdade, que ninguém é superior a ninguém.
Para conquistar essa virtude especial é necessário eliminar do nosso comportamento quatro grandes inimigas da humildade e, por consequência, da paz.
A primeira grande inimiga é a presunção.
É terrível conviver com pessoas presunçosas, que acham que sabem tudo e que, via de regra, sabem muito pouco.
Mas a presunção é muito pior para o presunçoso do que para as pessoas que com ele convivem, pois ele vive enganando-se a si próprio e perde importantes oportunidades de crescer ao julgar que nada tem a aprender.
A segunda inimiga da humildade é a ostentação.
Existem pessoas que realmente possuem domínio sobre certos assuntos, certas habilidades e que ostentam seus conhecimentos e suas capacidades a fim de deixarem evidente sua superioridade.
Todavia, a ostentação indica uma falta de amadurecimento psicológico, pois nossas habilidades especiais, se existem, estão para servirmos mais à comunidade e não para que fiquemos a nos vangloriar.
A terceira grande inimiga da humildade é a teimosia.
Naturalmente, ela é produto das duas primeiras, a presunção e a ostentação, porque demonstra que o teimoso considera o seu ponto de vista superior ao ponto de vista dos demais.
A teimosia é responsável por muita confusão.
Mas ela também traz seus prejuízos para o teimoso, afinal de contas, a nossa opinião sobre as coisas não altera a sua realidade e é muito comum vermos os teimosos terem de morder a própria língua.
Finalmente, a quarta grande inimiga da humildade é a impiedade.
A impiedade faz com que nos excedamos na luta pelo que julgamos ser nosso direito.
É claro que ser humilde não significa ser tolo, mas a grosseria é dispensável na luta pelo que é certo.
Como podemos ver, a nossa vida seria mais tranquila se buscássemos conquistar essa virtude especial que é a humildade, sem tirar da mente a ideia sublime do Cristo que afirmava: Quem quiser ser o maior no reino dos céus, faça-se o menor, isto é, o servo de todos  - ideia, aliás, que Ele exemplificou muito bem.
*   *   *
Em várias mensagens incluídas nas obras de Allan Kardec, o Codificador do Espiritismo, os Espíritos superiores nos falam a respeito das duas grandes doenças da Humanidade.
Porém essas doenças terríveis não são nem a Aids, nem o câncer, nem a hanseníase.
As duas grandes chagas da Humanidade são o egoísmo e o orgulho.
Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita. Em 22.10.2012.

OMAR AKRAM - Angel of Hope
https://www.youtube.com/watch?v=V1VrGeZlaYA

quarta-feira, 14 de maio de 2014

AMO VOCÊ


Depois de vinte e um anos de casado, descobri uma nova maneira de manter viva a chama do amor.
Há pouco tempo decidi sair com outra mulher. Na realidade foi ideia da minha esposa.
Você sabe que a ama, disse ela. A vida é muito curta. Você deve dedicar um tempo para essa mulher.
Mas amo você, eu respondi.
Eu sei. Mas, também a ama. Tenho certeza disso.
A outra mulher, a quem se referia minha esposa, era minha mãe, que eu visitava ocasionalmente, desde que ela enviuvara, há dezenove anos.
Naquela noite, a convidei para jantar e ir ao cinema. Antes de dizer que aceitava, ela foi perguntando:
O que você tem? Você está bem?
Minha mãe é o tipo de mulher que acredita que uma chamada tarde da noite, ou um convite surpresa é sinal de más notícias.
Sosseguei-a, dizendo que simplesmente queria sair com ela, passar algum tempo juntos, só nós dois.
Depois de alguns dias, fui apanhá-la após meu expediente. Estava um tanto nervoso. Nervosismo de um primeiro encontro. E, coisa interessante, pude observar que ela também estava muito emocionada.
Estava me esperando na porta. Havia feito um penteado e usava o vestido com que comemorara seu último aniversário de casamento. Seu rosto sorria e irradiava luz.
Enquanto subia no carro, comentou:
Disse a minhas amigas que ia sair com você e ficaram muito impressionadas.
Fomos a um restaurante aconchegante. Minha mãe se agarrou ao meu braço como se fosse a primeira dama. Quando nos sentamos, tive que ler para ela o menu.
Seus olhos só conseguiam enxergar letras e figuras muito grandes. Fui lendo os nomes dos pratos e, quando levantei os olhos, ela estava sentada do outro lado da mesa e me olhava fixamente. Um sorriso saudoso se desenhava em seus lábios.
Quando você era pequeno, falou, era eu quem lia o menu.
Então é hora de relaxar e me permitir devolver o favor, respondi.
Durante o jantar conversamos muito. Nada extraordinário. Só fomos colocando em dia a vida um para o outro. Falamos tanto que perdemos o horário do cinema.
Quando a deixei em casa, ela comentou:
Só sairei com você outra vez se me deixar fazer o convite.
Concordei, é claro e, quando cheguei em casa disse à minha esposa que a noite tinha sido muito mais agradável do que eu imaginara.
Dias mais tarde, minha mãe morreu de um infarto. Tudo foi muito rápido. Não pude fazer nada.
Depois de algum tempo, recebi um envelope com cópia de um cheque do restaurante onde havíamos jantado, minha mãe e eu. Junto, uma nota dizia:
Paguei um jantar antecipado. Estava certa de que não poderia estar com você outra vez. Paguei um jantar para você e sua esposa.
Você jamais poderá entender o que aquela noite significou para mim. Amo muito você.
Nesse momento, compreendi a importância de dizer amo você e de dar a nossos entes queridos o espaço que merecem.
Nada na vida será mais importante do que o amor.
*   *   *
Enquanto você segue cantando, fale a quem acompanha os seus passos que você o ama.
Enquanto cultiva o jardim do afeto, perfume a vida de quem você ama com as expressivas flores do carinho e da ternura.
Não deixe para mais tarde. Amanhã, poderá acontecer que o canto morra em sua garganta, que a chuva inunde o jardim das suas alegrias ou que as flores do amor murchem por absoluta falta de atenção.

Redação do Momento Espírita, com base em texto de autoria ignorada. Em 10.5.2014.

Loreena McKennith - Seeds of Love
http://www.youtube.com/watch?v=BjlRlr_N0Gs
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...