Seguidores

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

CONQUISTAS ÍNTIMAS


A história da Humanidade confunde-se com a de guerreiros, conquistadores, revolucionários.
Sempre os tivemos. Alguns lutando por seus ideais e sonhos. Outros, apenas movidos pela ganância e sede de poder.
Todos buscando amealhar tesouros, terras, títulos e coroas.
Lançavam-se nas mais intensas lutas para alcançar as coisas do mundo.
Tornavam-se poderosos, grandes mandatários, mas logo o tempo se encarregava de transformar tudo em ruínas.
Se alguns ainda mantêm seus nomes grafados na História, por esse ou aquele episódio, ou ainda, lembrados pelas barbáries e disparates cometidos, a grande maioria ganhou apenas o esquecimento como herança.
Imaginavam-se grandes, não percebendo a pequenez de seu propósito.
Como resultado, seus feitos não ultrapassaram a esteira do tempo.
Assim como eles, muitas vezes nós empenhamos tempo, anos de vida, capacidades, energia, para ganhar o que é do mundo material.
Buscamos amealhar bens, galgar posições sociais, cargos e destaque profissional.
Porém, todos esses valores, em si só, apresentam prazo de validade.
Como as coisas do mundo são transitórias, efêmeras, toda conquista material tem seu limite.
Por outro lado, poucas vezes nos damos conta de que, ao contrário das conquistas que se esvaziam no tempo, existem outras que são eternas e permanentes.
Essas conquistas são as do nosso mundo interior.
Toda aquisição intelectual e moral ganhará espaço em nossa intimidade, e as carregaremos para onde formos.
Vencerão o andar do tempo, o processo da morte física, ou qualquer ocorrência externa que surja.
É verdade que, durante a vida física, precisamos buscar as coisas do mundo.
Existem os compromissos financeiros, as preocupações com moradia, transporte, alimentação, instrução.
Porém, quanto de nosso tempo e de nossas capacidades usamos para as conquistas da Terra e quanto para as conquistas íntimas?
É necessário percebermos que, logo mais, quando a morte nos convidar para o retorno ao mundo espiritual, levaremos apenas os valores que conseguirmos carregar na mente e no coração.
São as conquistas do mundo íntimo. As demais, ficarão no mundo: vestimentas, mansões, propriedades de toda sorte, recursos amoedados.
Viver no mundo não representa investir todos os valores, tempo e esforço para o que seja material.
Faz-se necessário que nossos esforços se direcionem, também, para as conquistas da alma.
Todo esforço que investimos para angariar valores morais, novas virtudes, constituirá conquista interna, que levaremos conosco no retorno à vida espiritual e em todas as próximas existências.
Se o mundo externo se mostra algumas vezes sedutor nas suas possibilidades, não esqueçamos que o mundo interno tem riquezas inúmeras para nos oferecer.
Se o mundo externo têm suas obrigações e compromissos, o mundo interno aguarda que encetemos esforços para acumular os tesouros, aqueles que a ferrugem não corrói, as traças não comem e os ladrões não levam, como nos lembra Jesus.
Redação do Momento Espírita. Em 10.10.2014.

Michel Pépé : La Clairière Féerique
https://www.youtube.com/watch?v=7V_52L8excc

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...